sábado, 3 de setembro de 2011

NIÓBIO metal brasileiro, Wikileaks, Estados Unidos


Nióbio  metal brasileiro
NIÓBIO METAL ESTRATÉGICO
O nióbio é um metal raro usado em todas as aplicações de       
tecnologia de ponta da indústria moderna, e do qual o Brasil detém 98% das reservas mundiais. O Brasil exporta 81 mil toneladas do metal por ano.
O quilograma do metal sai daqui 
diamantes  De Beers
vendido por R$ 16,00 o que rende R$ 1 bilhão e 296 bilhões. Acontece que o nióbio é negociado na Bolsa de Londres por até U$ 1,200.00 dólares por quilograma. Se o Brasil não fosse lesado na operação, e empregasse a soberania do País no negócio, a exportação do nióbio renderia no mínimo (como rende aos ingleses) US$ 97 a 100 bilhões de dólares por ano, isto se não controlassemos o seu preço como faz a De Beers Ltd. com os diamantes.

O Cartel do Nióbio de 1955 a 2011
Agentes Internos - A 5º Coluna (Quinta coluna é um termo usado para se referir a grupos clandestinos que trabalham dentro de um país ou região, ajudando a invasão armada promovida por um outro país em caso de guerra internacional, ou facção rival no caso de uma guerra civil). 
Ativos - Governo Federal: Presidência da República - Casa Civil - Ministério das Minas e Energia - Governo de Minas Gerais
Coniventes - Estado Brasileiro: Receita Federal - Polícia Federal - Ministério Público Federal
Passivos - Congresso Nacional: Deputados - Senadores
Agentes Externos
Ativos locais: Mineradoras exportadoras
Ativos externos: Bolsa de Metais de Londres - Governos estrangeiros.

Nióbio, o que o Wikileaks está dizendo aos americanos

Os Estados Unidos estão preocupados com o nióbio brasileiro. É o que se vê num telegrama diplomático americano que foi publicado  na série de vazamentos de documentos das embaixadas americanas que vem sendo promovida pelo Wikileaks de Julian Assange.

As embaixadas listaram, a pedido de Washington, os pontos que deveriam ser considerados estratégicos para os Estados Unidos fora de suas fronteiras, por questões de segurança ou econômicas.

E eis que o nióbio aparece na lista. É um metal de múltipla utilidade, descoberto em 1851 pelo químico inglês Charles Hatchett. Nióbio, para quem gosta de curiosidades, vem de Níobe, filha do rei Tântalo, da mitologia grega. É claro, brilhante, macio e flexível. Você o encontra em aviões, aparelhos de ressonância magnética, trens balas, jóias, moedas e foguetes. A lista é longa, e inclui armamentos.

O Brasil é o maior produtor e exportador. Em Araxá, Minas, está a principal jazida de nióbio do mundo, propriedade da CBMM, do grupo Moreira Salles em sociedade com uma multinacional, a Molycorp.

Dito tudo isso, qual o sentido em divulgar a lista dos lugares vitais do mundo para os Estados Unidos?

Assange gosta de dizer que o objetivo do Wikileaks é promover um mundo mais justo. O que este vazamento específico – o mais polêmico dessa série nova, até aqui – tem a ver com justiça?

Nada.

Como então entendê-lo?

Há nele um tom de beligerância claro. Os Estados Unidos estão jogando cada vez mais duro com Assange e o Wikileaks. De lá têm partido sugestões de que simplesmente se execute Assange.

O Wikileaks, com vazamentos como este das localidades estratégicas na visão americana, está mostrando que está disposto a ir à guerra.

Nenhum comentário: