sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Máfia Verde - O Governo Mundial Angloamericano contra a Soberania Brasileira

Autor: Geraldo Luís Lino, LorenzoCarrasco, Nilder Costa e Silvia Palacios.
R$47,00

Censurado o livro MáfiaVerde 1
EIR -- Executive Intelligence Review
Rio deJaneiro, 27 de agosto - O WWF-Brasil escalou o seu esforço de  silenciar aliberdade de expressão vigente no País e as denúncias  contra a instrumentalização política do movimento ambientalista, ao  exercer uma censura direta à divulgação do livro MáfiaVerde: o  ambientalismo a serviço do “Governo Mundial”, publicado em março  último pela  Executive Intelligence Review (EIR), a revista de  inteligência internacional fundada pelo economista estadunidense  Lyndon LaRouche. Em cumprimento de uma determinação judicial sobre  ação protocolada pela ONG contra o Movimento de Solidariedade Ibero-  americana (MSIa), junto à 24a. Vara Cível do Rio deJaneiro, oficiais  de justiça estiveram esta manhã no escritório da entidade, no Rio de  Janeiro, para apreender exemplares do livro. A arbitrariedade da ação  ficou demonstrada pelo fato de que, além de apreender os 25  exemplares restantes dos quase 5.000 exemplares já vendidos do livro,  em duas edições, foram também apreendidos exemplaresda revista  Brasil Nuclear,publicada pela Associação Brasileira de Energia  Nuclear (ABEN), quetão-somente publicou um anúncio do livro.
O novo assalto legal do WWF, a ONG ambientalista internacional  encabeçada pelo príncipe Philip do Reino Unido, representa uma brutal  tentativa de censura à liberdade deexpressão, poucas vezes vista no  País, e ocorre num momento em que ainfluência de LaRouche cresce  internacionalmente, inclusive no Brasil, namedida em que se agrava a  situação do sistema financeiro global. Emespecial, o Brasil enfrenta  uma situação particularmente dramática,devido à crise econômica e  política terminal que devasta a vizinhaArgentina, a qual poderá ter  conseqüências devastadoras para a jávulneráveis finanças  brasileiras. Por sua vez, LaRouche tem não apenasoferecido soluções  programáticas para a crise financeira e monetáriainternacional -  concretamente, com seu conhecido apelo em favor daconvocação de  uma “Nova Conferência de Bretton Woods”. Igualmente, suaorganização  tem mobilizado ativamente as forças políticas de diversospaíses,  capazes de implementar tais soluções e colocar o usuráriosistema  financeiro baseado no eixo Londres-Wall Street sob reorganização de  bancarrota, sob o controle dos Estados nacionais soberanos. Entre  outros fatos, a ação do WWF reflete a histeria que tem-se espalhado  entre a oligarquia internacional e o seu desespero desilenciar  LaRouche e seus associados.
O livro Máfia Verde tem obtido grande repercussão no Brasil, já tendo  quase esgotado duas edições, num total de 5.000 exemplares. A obra,  que apresenta uma fartamente documentada econtundente denúncia da  instrumentalização política do movimento ambientalista internacional,  tem circulado amplamente entre setores políticos, empresariais,  militares, acadêmicos e outros, tendo o seu coordenador editorial, o  correspondente da EIR Lorenzo Carrasco, sido o primeiro convocado  para depor na CPI do Senado que investiga a ação dasONGs no Brasil.  A truculenta tentativa de censura por parte do WWF é também um  reflexo de tal influência.
Em janeiro último, o WWF-Brasil obteve em segunda instância uma  liminar que proíbe o MSIa de “praticar qualquer ato com vistas a  abalar e/ou atingir a imagem” da ONG. Na oportunidade, oficiais de  justiça apreenderam exemplares de publicações que denunciavam as  ações do movimento ambientalista encabeçadas peloWWF-Brasil contra o  desenvolvimento do País. Na nova ação, o WWF-Brasilargumenta que a  divulgação do livro representa uma desobediência à ordem judicial e  acusa o MSIa de ocultar-se por trás da EIR. A prova disto,afirmam,  estaria no fato de que os endereços e telefaxes das duas entidades  serem os mesmos.
Os advogados do MSIa, Hermann Assis Baeta e Marcelo Cunha Malta,  impetraram imediatamente umagravo de instrumento, no qual assinalam  que, entre as irregularidades daação do WWF, o movimento não pode  ser responsabilizado por uma publicação da EIR, por se tratar de uma  personalidade jurídica distinta e alheia à ação em curso. Além disto,  observam que a prática de compartilharinstalações com outras  entidades não é estranha ao próprio WWF, que,durante anos, dividiu o  mesmo endereço (Avenue du Mont Blanc 1196, Gland,Suíça) com a União  Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).
Outra evidência de suposta má-fé apontada pelo WWF seria a  inexistência de qualquer menção à ONG na letra“W” do índice  onomástico do livro. Neste caso, evidentemente, os autoresda ação  não leram corretamente a obra, já que o WWF consta do índice comseus  dois nomes oficiais, em vernáculo, na letra “F”: Fundo Mundial paraa  Vida Selvagem e Fundo Mundial para a Natureza, ambos com a sigla WWF.
Informaçõescom Silvia Palacios, pelo telefax 21-2532-4086

Lançamento do Livro  Máfia Verde 2
Os autores do livro “Máfia Verde 2 – Ambientalismo: Novo Colonialismo”,Lorenzo Carrasco (escritor mexicano) e Geraldo Luís Lino, lançam em Teresina a 2ª edição da obra. O lançamento, no Metropolitan Hotel.
O livro é polêmico e coincidentemente, trás este debate no momento emque o senador Heráclito Fortes (DEM) conseguiu emplacar a CPI das ONGs noSenado.
O livro denuncia a atividade de Organizações Não-Governamentais que seutilizam de propósitos políticos do movimento ambientalista-indigenista parainterferir na ­­­­­­­­­estrutura de poder, interferindo diretamente naspolíticas públicas e nas atividades dos mais diversos setores produtivos,atuando, com freqüência como um obstáculo para elas.
Por esta razão, o livro se tornou uma referência e efetivo instrumentode conscientização sobre a agenda anti-humana e exógena desse verdadeiroaparato de guerra irregular neocolonial contra o progresso.
Segundo Carrasco, o velho colonialismo, em que potências dominavampolítica e militarmente territórios ricos em matérias-primas em detrimento daspopulações locais, parece hoje uma relíquia da História.
Entretanto, o antigo impulso que motiva os grupos dominantes de certasnações a exercer hegemonia sobre tais regiões, mesmo que se tratem de Estadosnacionais consolidados, continua vivo e ativo, embora, nas últimas décadas, compoucas exceções, tenha buscado atingir os seus objetivos recorrendo a métodosmais sofisticados – e eficientes – do que a simples força bruta. Um deles é o movimentoambientalista-indigenista internacional, que,ao contrário do que pensam muitos, não é um fenômeno sociológico espontâneodecorrente de uma conscientização sobre as necessidades reais decompatibilização das atividades humanas com certos requisitos de proteção domeio ambiente e de comunidades indígenas primitivas.
“Na verdade, desde a sua criação, na década de 1960, ele vem semostrando cada vez mais como um instrumento ideológico e político, planejado elargamente financiado por poderosos grupos internacionalistas, com o propósitoquase explícito de conter a expansão dos benefícios da sociedadeindustrial-tecnológicaa todos os povos e países do planeta e manter sob relativo controle o processode desenvolvimento em geral”, explica Lorenzo Carrasco.
IMPORTANTE LER:



Word Wildlife Fund (WWF).
James Goldsmith e o Grupo Rothschild financiam a ONG britânica Survival Internacional da WF, na campanha pela demarcação da Nação Ianomami.
Repassando..

Nenhum comentário: