terça-feira, 4 de agosto de 2015

A venda feagaciana da Vale do Rio Doce

REALIZADA POR FHC EM PARCERIA COM LULA DA SILVA, OBEDECENDO OS ACORDOS FIRMADOS ENTRE ELES, O PACTO DE PRINCTON E O FÔRO DE SÃO PAULO, SE NÃO BASTASSE A LEI KANDIR DESDE 1996 ISENTANDO DE ICM AS EXPORTAÇÕES, E BENEFICIANDO AS GOVERNANÇAS PELOS ROYALTIES E COMISSÕES CORRUPTAS INDIVIDUAIS, HOJE ANUNCIAM À FALÊNCIA DO BRASIL PELA OMISSÃO, INGERÊNCIA, ENTREGUISMO, DESTES NÃO PATRIOTAS!


A venda feagaciana da Vale do Rio Doce, o maior patrimônio mineral do planeta, envolvendo solo, subsolo, água, portos, ferrovias e florestas, abrangendo nove estados do país. Falar em preço aí é pura ignomínia. É como vender sua própria mãe, todavia a mãe não é uma commodity, a mãe não tem preço, a não ser para os executivos da mineradora Billington e do Bank of America, Gencor e Anglo-American.
A venda da Vale do Rio Doce foi o suicídio da nação brasileira. Esse entreguismo (“crime inominável”) anulou as possibilidades do desenvolvimento atual e futuro da Amazônia.

A CVRD detinha 99,99 % do controle acionário da DOCEGEO, todo esse imenso acervo em CONHECIMENTOS TÉCNICOS cujo valor real seria de fato INCALCULÁVEL por se referir a ocorrências minerais ainda "em ser" e que, portanto, de fato não pertenciam na data do Leilão legitimamente à CVRD e sim à União, por exigência do Art. 20, IX da CF, foi TODO ele integralmente transferido para a VALEPAR que "comprou" (e por preço vil) a maioria das ações ordinárias que foram colocadas à venda já no 1º Leilão. 

Assim, com o obstinado empenho pessoal do Presidente FHC, subtraiu-se do Estado Brasileiro algo que não se poderia vender por preço nenhum - os SEGREDOS MINERALÓGICOS DA DOCEGEO com ênfase sobre as riquezas do subsolo da Amazônia. Hoje esses segredos são da VALEPAR, e não pertencem mais ao Estado Brasileiro. 

Nenhum comentário: