segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Calha Norte projeto criada no fim do governo militar para impor a soberania na tríplice fronteira norte do Brasil

Amazona Colombiana
Enfatizou-se, então, o "buraco" existente no espaço aéreo, por onde se escoavam  os bens mais preciosos, e outros locais de "vazamentos" representados pelas passagens sensíveis existentes nos rios da região, com destaque para a verdadeira foz do rio Amazonas, então denominada "braço norte do rio", e para o rio Içá, por onde transitavam livremente embarcações colombianas. - Trinta anos já decorridos e a situação continua a mesma! Urge, portanto, que se acelerem as providências para impedir que os argumentos lançados por antigo responsável pela "CPRM", "antimilitarismo" e "anti-xenofobismo", sejam novamente usados para que se entregue, de mão beijada, os bens preciosos que o Criador resolveu colocar à disposição dos brasileiros, não para serem repassados aos estrangeiros, mas para que com eles seja edificado um país próspero e feliz, povoado por raça cósmica, modelo de civilização fraterna! meu saudoso e querido ROBERTO GAMA e SILVA Contra-Almirante Reformado.
Resultado de imagem para Programa Calha Norte

Criado em 1985 pelo Governo Militar,  impondo a força das três armas, o Programa Calha Norte tem como objetivo principal a manutenção da soberania da Amazônia, contribuindo com a promoção de seu desenvolvimento ordenado e sustentável.
O Programa Calha Norte, inicialmente denominado Projeto Calha Norte, surgiu com a preocupação de ocupar, com órgãos e aparelhos de Estado, toda a região que fica ao norte da calha do Solimões/Amazonas, que é, também, a região menos habitada e das mais ricas em riquezas minerais de toda a Amazônia e que tem 5.993 km de linha de fronteira. Os militares brasileiros foram os únicos que cumpriram com as estratégias do Programa Calha Norte. nos governos Collor e FHC, os cortes orçamentários a essa ação patriótica, iniciada no governo Sarney, foram profundos, a ponto de o Programa se sustentar com 

O SIVAM  foi inaugurado em 2002, durante a gestão do então presidente Fernando Henrique Cardoso.  
Por meio de radares, informações relacionadas a Amazônia são enviadas via-satélite para um banco de dados nas grandes metrópoles brasileiras. Há um grupo de estudiosos que acredita na possível interceptação das informações do projeto SIVAM por governos de outros países. basta saber mesmo se os dados recolhidos realmente estão incentivando nossos governantes a cuidarem destas tão ricas regiões, tanto no sentido biológico, quanto no sentido humano.(comentário: os governantes estão doando toda a calha norte aos cuidados de Santos na Colômbia sob a supervisão do Foro de SP, alegando Santos que o corredor "ecológico" vai melhorar o aquecimento global,  mentiroso e safado!).

Quanto mais habitada e desenvolvida for a Amazônia, mais ela será nossa, mais estará assegurada ao povo brasileiro. Comentário: No entanto, o Foro de São Paulo, os globalistas para aterrorizar e facilitar a usurpação, estão trazendo para a Amazônia o hesbollah, os mercenários da FARC/ELN.


A defesa nacional não é e nem pode ser pensada exclusivamente pelas Forças Armadas. A defesa é uma atribuição de toda a Nação Brasileira e requer um esforço conjunto de todo o povo. Os cortes orçamentários promovidos pelo Ministério da Fazenda à Pasta da Defesa, para gerar superávit primário, diante de tudo o que foi dito aqui, soa como uma afronta, no mínimo uma afronta.

- “É nosso dever: defender, prevenir, impedir, lutar, insistir, convencer, enfim esgotar todos os recursos que, devida ou indevidamente, possam redundar na defesa, na segurança, na preservação desse imenso território e dos seres que o habitam e que são patrimônio da humanidade e não dos países cujos territórios, pretensamente, dizem lhes pertencer.”

-
“É nosso dever: impedir em qualquer caso impedir a agressão contra a área amazônica, quando se caracterizar a construção de estradas, campos de pouso, principalmente destinadas a atividades de garimpo, barragens de qualquer tipo ou tamanho; obras de fronteira civis ou militares, tais como quartéis, desmatamentos, estradas, campos de pouso militares e outros que signifiquem a tentativa de mudanças que a civilização chama de progresso.”
 Resultado de imagem para Programa Calha Norte
É preciso agregar a idéia oligárquica de “congelar” o desenvolvimento do que chamam a “Ilha da Guiana”, área delineada pelo rio Orinoco, o canal de Cassiquiare e o rio Negro, o que inclui toda a Calha Norte do Amazonas. O centro da “ilha” é, precisamente, o estado brasileiro de Roraima, que tem sido submetido a uma draconiana “esterilização territorial”, com a maior parte de seu território demarcado como áreas indígenas ou reservas naturais, que obstaculizam quaisquer atividades econômicas modernas. No caso, a miopia estratégica levou sucessivos governos brasileiros a permitir no estado a formação das gigantescas reservas ianomâmi e Raposa Serra do Sol, ambas fronteiriças.
A extensão da  CALHA NORTE  está sendo roubada, expropriada, por marxistas, guerrilhas e ONGs "ambientalistas".
Dizem que o Brasil e a Venezuela não aceitaram o acordo do 
corredor "ecológico! Quem vai acreditar?
TRAMA SECRETA: Tomar o norte do Brasil para formarem o corredor “ecológico”  FALSO COMO  o “falso" acordo de paz de Santos na Colômbia.
Até hoje TODOS OS MINISTÉRIOS, TRÊS PODERES, INSTITUIÇÕES, devem ao Brasil uma explicação de sua incompreensão e/ou pouco caso em relação a essa região vital para todos  os brasileiros; Nos anos 90, na década perdida, nos governos Collor e FHC, os cortes orçamentários a essa ação patriótica iniciou dando continuidade nos demais governos, POR QUE? HOJE SABEMOS: a formação do subsolo da Amazônia, que basicamente é composto de uma grande bacia sedimentar que corresponde à calha do Solimões/Amazonas e do Escudo das Guianas, ao norte e do Escudo Brasileiro, ao sul. As rochas desses escudos são as mais antigas da América do Sul. Diz o Contra-Almirante Roberto Gama e Silva,  , que “a idade e a dimensão avantajada dos 
Resultado de imagem para Programa Calha Norte
Escudos Amazônicos credenciam-nos como verdadeiro “Oriente Médio” dos metais. Com efeito, contêm eles as maiores reservas de nióbio e titânio da terra, a quarta maior reserva de estanho, a quinta de ferro, além de quantidades apreciáveis de apatita, barita, chumbo, cobre, cromo, diamantes, fluorita, lítio, manganês, molibdênio, pedras preciosas, prata, tântalo, terras raras, tungstênio, zinco, zircônio e minerais radioativos, tório (maior reserva mundial) e urânio”.

Os países desenvolvidos não possuem, nos seus subsolos, riquezas minerais em quantidades suficientes para manterem seu grau de desenvolvimento industrial. Por isso, precisam, desesperadamente, das matérias primas do subsolo de outras nações e a História já deixou claro que não medem esforços, nem tem escrúpulos para a obtenção dessas matérias primas.
O Programa Calha Norte, inicialmente denominado Projeto Calha Norte, surgiu com a preocupação de ocupar, com órgãos e aparelhos de Estado, toda a região que fica ao norte da calha do Solimões/Amazonas, que é, também, a região menos habitada e das mais ricas em riquezas minerais de toda a Amazônia e que tem 5.993 km de linha de fronteira.

Na Amazônia existe a maior biodiversidade, o maior banco genético e o maior volume de água doce de superfície do planeta; que as riquezas, já conhecidas, da região correspondem a 1/5 do PIB mundial e que a metade de todo esse território ainda não está plenamente integrado ao Brasil. Esse último dado demonstra que a vigilância na Amazônia torna-se impossível com a presença física em todos os seus espaços e isso reforça o alcance do SIVAM – Sistema de Vigilância da Amazônia e a necessidade de sua contínua atualização e modernização, a cobertura vegetal original, no Brasil, correspondem a 69,4% do total e comparou esse índice com as do mundo, onde 24,1% são de florestas remanescentes e que a Europa mantém apenas irrisórios 0,3%.


Em São Gabriel da Cachoeira (cabeça do cachorro), que é o município mais indígena do Brasil,o terceiro maior em extensão territorial e mais rico do mundo em minérios. O isolamento daquela região em relação ao restante da Amazônia e do país; demonstrou a ausência do Estado ao longo da fronteira e que o exército é, na prática, o Estado, aonde a etnia kuripaco saúdam cantando o Hino Nacional Brasileiro.


No Nordeste não existem ONG estrangeiras. Eis a questão chave. Por que existe este magnetismo exacerbado pela Amazônia em detrimento de outras regiões? Para compreender esse tropismo das ONG é preciso olhar o mapa das reservas indígenas da região amazônica.  as ONG atuam na defesa dos direitos dos indígenas, atuando dentro das suas reservas, atuam sobre algumas das mais ricas reservas minerais do planeta.  “encontram-se instalados e labutando na Amazônia, na Região Norte, 846 ONGs estrangeiras, todas com o propósito de defender o meio ambiente e os direitos das populações indígenas.” 

Nenhum comentário: