terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Câncer pelo Nióbio cresce em Araxá

O nióbio  e os resíduos radioativos/tóxicos é ‘nosso’
O câncer também é nosso!
Os lucros são dos centralizadores internacionais
Desde seu início até os dias atuais, o governo Federal jamais adotou qualquer postura, para legalizar a extração dos minérios no Brasil, principalmente o minério Nióbio. A expropriação e contrabando dos minérios  não permitiu que os recursos fossem destinados A Caixa do Tesouro Nacional como reserva estratégica, nem ao menos, obrigaram os exploradores internacionais através de leis, respeitar o meio ambiente, deixando melhoria aos munícipes das regiões exploradas... NÃO O CÂNCER adquirido pelos munícipes através das águas contaminadas deixadas pelas mineradoras.
Não podemos ou devemos omitir as notícias, a exploração e descaminho vai continuar como tem ocorrido nos últimos 50 anos. É o governo quem deve tomar medidas enérgicas e proteger a população contra os invasores inescrupulosos.


A mineração do metal Nióbio também tem um lado muito mais escuro e irradiante no mesmo momento: resíduos radioativos e tóxicos! Uma pesquisa de 1993 feita pelo Instituto de Radioproteção e Dosimetria da CNEN no Rio de Janeiro concluiu: “Contaminação interna com material radioativo de trabalhadores de mineração é um problema comum no Brasil. Isto é causado pela presença de urânio, de tório, e seu decaimento natural associado com o minério extraído. Os exemplos claros são os trabalhadores na mina de nióbio localizada no Estado de Goiás. O nióbio está associado com quantidades consideráveis de urânio e tório, mas a mina não é legalmente sujeita a requisitos de protecção contra as radiações.”
Esta pesquisa foi feita na mina de nióbio em Goiás. A mina de Araxá que é dez vezes maior do que a mina da Anglo American não fez parte desta pesquisa, mas o nióbio de Araxá é também associado com os mesmos minérios radioativos.
Durante o processo da mineração e da concentração do minério são produzidas toneladas de rejeitos radioativos que são depositados em barragens de resíduos. E isto apresenta um alto risco de contaminação ao meio ambiente e à saúde humana, podendo afetar não apenas os trabalhadores, mas também a população local. Até hoje apenas poucos autores falam sobre este risco no Brasil. Um dos poucos é o colunista Gilson B. Santos do Jornal “A Voz de Araxá“, uma publicação corajosa desta cidade mineira de Araxá com mais ou menos 95.000 habitantes.
Câncer – Índice cresce em Araxá!
Uma coisa é fato hoje em Araxá –MG, temos um número alarmante de pessoas com câncer e problemas respiratórios”, escreve Gilson e nomea também a causa: A mineração e processamento de nióbio. “Solo, água e ar contaminados resultam dos poluentes liberados da atuação mineradora da CBMM. Não é necessário ser médico ou especializado na área de saúde ambiental para chegar à conclusão de que dezenas de milhares de toneladas por ano de poeira abundante em suspensão de ferro, tório, chumbo, fosfato e demais minerais é deletéria à saúde. Agredida por tais minerais estranhos à normalidade do funcionamento do organismo humano e ambiental, a população apresenta aumento de doenças respiratórias juntamente com doenças degenerativas, demência assim como câncer.”
Em outubro de 2012, Gilson denunciou mais uma vez na Voz de Araxá: “Câncer – Índice cresce em Araxá! Chegou a hora de nós araxaenses criarmos vergonha na cara e exigir a verdade de nossas autoridades sobre os números reais de câncer em nossa cidade. Dados nos indicam que hoje já são mais de 10.000 casos na cidade, e até 2030 teremos uma media de mais de 40% da população com a doença em Araxá.”
Por causa deste alto risco de contaminação, os cidadãos, povos indígenas e ONGs de meio ambiente do Canadá estão lutando contra a mineração de nióbio neste país. O Canadá já por muito tempo poderia produzir mais nióbio. Mas desde 2003 os indígenas Mohawk e canadenses locais lutam contra uma nova mina de nióbio em Quebec. Os Mohawk não querem que as suas terras e águas sejam contaminadas com os rejeitos radioativos deste projeto da mineradora Niocan.
No Brasil a situação é ao contrário. Uma luta contra a mineração de nióbio é quase invisível, só uma luta a favor da mineração está divulgada em massa. Os lobies do nióbio querem ainda aumentar a mineração. Até as jazidas de nióbio nos territórios indígenas no Alto Rio Negro ou na Raposa Serra do Sol podem ser exploradas para enriquecer o povo do Brasil.
Mas economicamente falando – de um capitalista para outro – um aumento da produção de nióbio não faz sentido para o Brasil. Mais uma mina de nióbio significa só mais concorrência com o resultado de uma depreciação do preço do nióbio no mercado mundial. Só um idiota cria concorrência em sua própria casa. Também o Brasil já tem Araxá, a maior mina de nióbio da planeta com a capacidade de abastecer o mercado mundial para mais de 400 anos!
Claramente as forças internacionais, as mineradoras e a indústria internacional de aço e de dutos e da construção civil gostariam ter muito mais nióbio disponível, porque assim o preço seria mais barato no mercado. Mas isto não é a favor nem da economia e nem da saúde do povo do Brasil.
Norbert Suchanek, Correspondente e Jornalista de Ciência e Ecologia, é colaborador internacional do EcoDebate
Fonte: EcoDebate
22.12.2012

4 comentários:

Joaovitor Louco disse...

Vamos parar de ser bobos acorda Brasil vender nióbio a preço de banana acorda povo brasileiro vamos acabar com a corrupção do estado de minas e do Brasil mesmo o canada com 2%do nióbio do planeta e pais de primeiro mundo e vende mega caro já o Brasil com 98%do nióbio do planeta vende a preço de banana mesmo que se vendesse um barrio de petroleo por 1 dólar acorda povo vamos buscar saber informação sobre esse metal escasso e raro no mundo

Marilda Oliveira disse...

Vamos ver se o Aécio Neves fará de seu projeto de governo na campanha presidencial de 2014 a legalização da expropriação do Nióbio de Araxá. Acredito que ele nem tocará no assunto. É um traídos como os demais.

skjfksajfkajsfakl disse...

Parabéns pela coragem em denunciar esse crime contra a saúde da população e trabalhadores da Cia de Mineração em Araxa. Peçam a relação dos trabalhadores que morreram por causas supostamente naturais nesses últimos trinta anos. Cruzem os dados com os prontuários médicos e entrevistem as famílias. Poderão sair informações importantes. A conferir.

Anônimo disse...

Parabéns pela coragem em denunciar esse crime contra a saúde da população e trabalhadores da Cia de Mineração em Araxa. Peçam a relação dos trabalhadores que morreram por causas supostamente naturais nesses últimos trinta anos. Cruzem os dados com os prontuários médicos e entrevistem as famílias. Poderão sair informações importantes. A conferir.