terça-feira, 17 de maio de 2016

Catalão Goias é devastada pela Mineração nas terras raras

Mineração devasta Catalão
Compartilho a seguir um interessante texto publicado na última segunda-feira, dia 16 de março de 2015, no site Brasil de Fato, que levanta algumas questões preocupantes acerca da relação entre a atividade mineradora em Catalão, os crescentes casos de câncer em nossa cidade e o impacto na qualidade do solo e das águas, conforme pesquisa feita pela Universidade Federal do Mato Grosso. Ao final, compartilho um Twitte do nosso prefeito que coloca uma pulga atrás da orelha de quem se animou com a informação, divulgada com bastante alarde pela prefeitura, de uma autuação de 28 milhões de reais sofrida pelas mineradoras pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Confira:

Mineração devasta Catalão 
A cidade de Catalão – cerca de 260 km da capital Goiânia – vem sofrendo um colapso social em várias áreas por conta da mineração. Falta de água, poluição do ar e aumento de casos de câncer são apenas alguns dos problemas que estão afetando a população da cidade.
Com seu subsolo rico em níquel, nióbio, fosfato e os chamados minerais de terras raras, Catalão tem olhado a riqueza ser extraída pelas empresas Anglo American e Vale Fertilizantes. Em troca, recebe apenas o prejuízo desse processo.
No campo, a população idosa tem sido a mais afetada pela mineração. Muitas famílias centenárias estão sendo expulsas de seus territórios por conta da expansão das atividades das mineradoras.
Ademais, os proprietários rurais têm vivido constantemente com a problemática da deterioração do solo, da seca de suas nascentes, riachos e fontes hídricas que acarretam a impossibilidade da agricultura e a morte de animais. Isso sem mencionar o risco de transbordo de barragem de rejeitos das mineradoras e a destruição de florestas nativas.
Na cidade, a poluição do ar, que inclusive passou a ser chamado de “cheiro de barata” toma conta de parte dos bairros ao entardecer.
Diante desse cenário a Anglo e a Vale se defendem com falácias culpando a falta de chuva pela escassez de água e se esquivando das responsabilidades das partículas poluidoras lançadas no ar de Catalão.
Visita
A casa de dona Glória na zona rural de Paraíso do Alto está ajeitada, café feito, toalha de mesa aprumada. Típica casa hospitaleira da roça quando vai receber visita. Numa tarde quente do interior goiano, chegam quatro funcionários da Anglo American: dois geólogos especialistas em hidrologia vindos de Belo Horizonte, um geólogo da empresa de Catalão e um jornalista. Escutam atentamente as reclamações da comunidade sobre o problema de falta de água e soltam, no mesmo momento, a razão da crise hídrica na cidade de Catalão e Ouvidor.
Segundo os funcionários, a dificuldade pela pouca água, que antes corria em abundância pelos rios e córregos da região, faz parte de uma crise mundial do recurso hídrico e pela falta de chuva que acomete a zona rural goiana.
Depois de muitos tapinhas nas costas e sorrisos sorrateiros, os funcionários da Anglo se despedem com ar de missão cumprida.
Entretanto, a Anglo American esqueceu que, em Catalão, desde 1913, existe uma estação que monitora o volume de chuvas que cai na região. Diante da desculpa sem nexo da mineradora, pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) foram verificar as informações contidas no aparelho de medição.
“Com base no que os funcionários da Anglo falaram, fomos pesquisar os dados e fizemos uma tabulação. O resultado é que, há cem anos, temos o mesmo volume de chuvas, uma média anual de mil e quatrocentos milímetros de água”, revela o geógrafo e presidente da Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), seção Catalão, Gabriel Melo Neto.
Para o professor, a mineradora tentou ludibriar a população. “Não tem nada a ver a falta de água com pouca chuva e o argumento que o problema de Catalão e Ouvidor tem a ver com uma dinâmica mundial cai por terra, pois nós temos uma quantidade de chuva que se mantém ao longo dos anos”, completa.
O secretário municipal de Meio Ambiente aponta a verdadeira problemática. “Há um indicativo de que a forma de trabalho das mineradoras com escavação de mais de cem metros de profundidade altera a qualidade da água dos mananciais e a quantidade de água da região, como é o caso, por exemplo, do que ocorre no entorno da mina Boa Vista explorada pela Anglo American”, esclarece.
O secretário aguarda um estudo hidrológico da região solicitado junto ao Ministério Público para conclusões mais exatas sobre a escassez de água em Catalão.
Reinventar a vida?
A mineração em Catalão também tem imposto a um campesinato envelhecido uma reinvenção de vida quase impossível, como morar e trabalhar na cidade. É o caso do senhor Antônio, da comunidade do Alto Paraíso na região de Ouvidor.“Meu avó nasceu aqui, meu pai herdou a área e eu e meus irmãos todos fomos criados aqui, e eu permaneci aqui até hoje, mas estou vendendo minha terra para Anglo American”, conta.
Quase aos 80 anos e com uma história familiar de aproximadamente dois séculos sobre seu território, Antônio se prepara para se despedir do local.“Não tenho mais água potável, tenho que trazer da cidade, só esse ano já perdi 11 cabeças de gado com a seca na minha propriedade rural. Não tem mais como viver aqui”, desabafa.
Antônio, que conheceu de perto todas as nascentes, riachos e córregos de Paraíso do Alto divide a vida em antes e depois da mineração.
“Depois das mineradoras é que a vida começa a mudar aqui, pois acabam as águas, diminuiu muito os córregos para pesca, as cachoeiras que embelezavam o lugar eram cheias de lambari, bagre. Acabou tudo”, lamenta.
Se a perfuração do lençol freático e o intensivo uso de água na atividade de mineração tem determinado o fim da água da comunidade de Paraíso do Alto, por outro lado, outras tantas famílias da zona rural tem sofrido com a inundação, devido à mudança de curso de rios e transbordamento das barragens de rejeitos.
É o caso dos trabalhadores rurais de Mata Preta. O rio da propriedade do senhor Agripino sofreu uma cheia por conta das mudanças ambientais causadas pela atuação da Vale Fertilizantes, que vem modificando drasticamente o meio ambiente da região.
“Matou todas as árvores que tinha ao redor do rio, minha plantação afogou em meio a tanta água, além da contaminação dos rejeitos da Vale que têm vazado para cá”, explica.
No seu vizinho, o gado vive morrendo em meio a um atoleiro misturado de lama e rejeito da Vale. A paisagem é de um imenso lago sujo que parece que vai engolir a casa do sítio e o curral a qualquer momento.
“Ser vizinho de mineração é uma desgraça, olha só esse mar de sujeira avançando sobre a criação de minha propriedade”, reclama Firmino apoiado numa bengala.
A dúvida dele é a de todos: “Para onde vou? Aqui, daqui um tempo, não vai dar mais! Para cidade? Nunca vivi lá, aqui alimento da minha terra e lá na cidade? Vou fazer o quê? Já estou velho demais para ser importunado por uma mineradora, quero paz!”.
Uma pesquisa realizada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Catalão (SEMMAC) em 24 propriedades rurais constatou que o principal problema é a escassez e poluição da água, muito barulho e poeira provocada pelas mineradoras.
O secretário Marcelo Mendonza demonstra preocupação com os casos de inundações agrícolas provocados pelas mineradoras. “Existe uma grande quantidade de lagoas de rejeitos, que contaminam muito, alagam propriedades, mas infelizmente não sabemos exatamente quantas lagoas foram feitas pelas empresas nesses últimos anos”, relata.
Mineradoras multadas
Se no campo, a mineração tem determinado a morte do ciclo da vida de uma população centenária de Catalão e Ouvidor, na cidade os terminais industriais da Anglo e da Vale têm jogado nos pulmões dos catalanos impurezas nada saudáveis.
Situação que levou as mineradoras a serem notificadas no dia 27 de fevereiro para pagarem uma multa no valor de R$ 28 milhões. De acordo com a SEMMAC, ambas as empresas seriam as responsáveis pela poluição que em Catalão já foi apelidada de “cheiro de baratas”.
As investigações vêm do ano passado, quando a população chegou a denunciar o caso ao Ministério Público, que desencadeou o processo. À época, os técnicos chegaram à conclusão de que a poluição atingia certas regiões do município, de acordo com o vento e sua intensidade.
O mau cheiro é sentido principalmente em bairro mais altos, como Ipanema, Margon e em parte do Nossa Senhora de Fátima.
A Vale Fertilizantes foi autuada em R$ 10 milhões pela poluição atmosférica. Já a Anglo, de acordo com a SEMMAC, foi autuada em R$ 10 milhões pela poluição e mais R$ 8 milhões por poluição gerada na mina Boa Vista, em que, de acordo com o documento, emite partículas quatro vezes mais do que o permitido.
Este mês, a Anglo recebeu outra notificação. Dessa vez, aplicada pelo Ministério Público, que em ação civil pública, propôs multa de R$ 5 milhões por danos ambientais, na construção de uma represa de contenção.
“Nós conseguimos mapear e comprovar que essa poluição atmosférica tem origem no polo minero-químico da Anglo e da Vale”, assegura o secretário Marcelo Mendonça.
Câncer
A contaminação do ar e do solo levou Catalão, segundo estudos realizados pelo Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a ser a cidade com maior incidência de câncer no estado de Goiás.
A pesquisa, ao analisar os prontuários médicos do sistema público de saúde da cidade entre os anos de 2005 e 2006, identificou que a doença majoritariamente se localiza nos órgãos do sistema respiratório e digestivo.
“As notificações de neoplasias malignas do sistema respiratório passaram de 1,5% em 2005 para 11,5% em 2006. Quanto ao sistema digestivo, a prevalência passou de 10% em 2005 para 16,5% em 2006”, aponta a análise.
Na conclusão, o documento afirma: “A epidemiologia do câncer no município de Catalão, Goiás, sugere associações entre as atividades econômicas desenvolvidas na cidade, como a mineração e a agropecuária, e a prevalência de tumores localizados no sistema respiratório e digestivo”.
Para o geólogo e presidente da Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), seção Catalão, Gabriel Melo Neto, o estudo mostra a despreocupação das mineradoras com as populações do campo e da cidade de Catalão e Ouvidor.
“As mineradoras estão envenenando a água e o solo, portanto, estamos comendo comida contaminada, além do ar que respiramos, que está cheio de partículas inadequadas para população, por isso, a incidência de câncer no pulmão e no estômago do catalano.”

Há alguns dias atrás foi divulgado com alarde pela Prefeitura de Catalão que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente fez "algo nunca feito nas gestões anteriores" que foi autuar as mineradores pela poluição causada por suas atividades. Sem dúvida, assim que a reportagem do Brasil de Fato se tornar mais comentada na cidade o trecho abaixo vai ser destacado em propaganda de rádio, tv e internet, como exemplo de medidas corajosas tomadas para resguardar a saúde do povo:

Situação que levou as mineradoras a serem notificadas no dia 27 de fevereiro para pagarem uma multa no valor de R$ 28 milhões. De acordo com a SEMMAC, ambas as empresas seriam as responsáveis pela poluição que em Catalão já foi apelidada de “cheiro de baratas”.

Seria realmente um alento, afinal já não é possível recuperar o meio ambiente degradado e a saúde de quem já ficou exposto por mais de 30 anos às atividades poluentes, ao menos seria uma garantia de que os responsáveis seriam punidos. Pena que essa informação tenha que ser visto com um pé atrás, afinal como acreditar na seriedade dessa medida se num dia a Prefeitura multa as empresas em 28 milhões e no outro um dos diretores multados se encontra com o Prefeito e o Secretário de Meio Ambiente? 
 

É o equivalente ao lobo encontrando-se com os porquinhos após ameaçar derrubar a casinha deles: "Eu vou soprar, vou soprar muito forte e sua casa irá voar, mas antes vamos nos encontrar para a um acordo podermos chegar".

Ou não, afinal são relações republicanas de um prefeito com as empresas que atuam na cidade. Algo perfeitamente normal, ético e cabível nessa situação, sem possibilidade de nenhum conflito de interesse ou favorecimento de nenhuma parte.

Ganha um perfume com cheiro de barata quem acreditar de verdade nessa história.

 
Compartilhe:

http://oquetodomundoquerfalar.blogspot.com.br/2015/03/mineracao-devasta-catalao.htm


Um comentário:

AbLand disse...

O silêncio do Estado Novo a respeito, é imposto pela Globo, com suas comunicações voltadas à lavagem cerebral do Povo, preparando condições propícias para instauração da Plutocracia com seus grilhões aferrados sobre os que lutam pelas liberdades de seu Povo.������������